Página Inicial > Viagens > Ásia > Vietnã: Como Chegar, O Que Ver e Comer

Vietnã: Como Chegar, O Que Ver e Comer

Os viajantes de plantão, que estão em busca de exotismo e diversidade, podem estar certos de encontrar tudo isto e mais um pouco no Vietnã. Localizado na Ásia, o Vietnã ainda faz fronteira com outros conhecidos países da Ásia, como Laos e Camboja. Como ele está a oeste do Golfo da Tailândia, a localização pode facilitar a vida do turista que escolhe o Vietnã, já que de lá é possível fazer uma esticada ainda em outros países vizinhos.

Como é um importante destino turístico, o Vietnã vem recebendo todos os anos investimentos privados que melhoram a cada dia a infraestrutura do país, em particular na região da costa, onde estão resorts, e hotéis de luxo. Entretanto, é bem populoso, barulhento – especialmente na capital Hanói – onde o caos pode ser visto nas ruas, entre bicicletas, carros, táxis. O que não seria para menos, já que mais de 3,77 milhões de turistas visitam o país todos os anos.

Um dos pontos que mais atraem os turistas é antiga capital imperial de Hué, onde estão o Parque Nacional de Phong Nha-Ke Bàng, Hoi An e o Santuário de Mi-sön, sendo que os três últimos são Patrimônios da Humanidade tombados pela UNESCO. As regiões de costa, como Nha Trang, as cavernas da Baía de Ha Long e o Ngũ Hành Son também são atrações de turismo no país. Ambiciosos e arrojados empreendimentos turísticos estão em construção no Vietnã, como o complexo turístico de Binh Duong, que vista abrigar o maior e mais importante mar artificial da Ásia.

Para chegar até o Vietnã, é necessário fazê-lo via aérea. Não há voos diretos, pelo menos para quem parte do Brasil. Mas existem as opções com voos, escalas ou conexões com Air France e Qatar Airways. Para entrar no Vietnã é necessário visto, diferente de outras localidades da Ásia.

Estando no Vietnã, um roteiro para quem quer estender a viagem é Bagan, no Mianmar, Bangcoc, algumas noites em uma praia tailandesa, Siem Reap, já no Camboja, e Laung Prabang, no Laos. O roteiro pode ser feito na chegada ou na saída do país.

A comida também é muito próxima dos sabores da tailandesa. Tanto os bons restaurantes como as barracas de rua apresentam uma incrível variedade de sabores, cores e aromas, com fortes influências da grande comunidade chinesa, bem como da Malásia. Para a exploração de sabores, muito capim-santo, gengibre e pimentas, das mais variadas, tudo em sopas, talharins, mini-panquecas ou arroz, que são as principais fontes de carboidrato da população local. Já a proteína inclui pescados, camarão e carne de boi, porco e frango, que são levemente passados no fogo.

Compartilhe:

Deixe seu comentário!