Página Inicial > Educação > Arte > A Vida e as Obras do Pintor Vincent Van Gogh

A Vida e as Obras do Pintor Vincent Van Gogh

Vincent Van Gogh, artista do pós-impressionismo, é visto pela maioria das pessoas como um dos maiores pintores do mundo. Com uma vida marcada por fracassos para os padrões da sociedade, o pintor nascido na Holanda é considerado um dos precursores da ligação das tendências impressionistas com aspirações modernistas, com influência em movimentos como o expressionismo, fauvismo e abstracionismo.

Relatos de sua vida

Nascido no dia 30 de março de  1853, Van Gogh teve uma irmã e um irmão, Theo, com quem manteve um forte laço de amizade.

Foi através de cartas trocadas com este irmão que pesquisadores puderam recuperar diversos detalhes sobre sua vida pessoal e profissional.

Vida profissional que começou quando o pintor tinha em torno de 15 anos, quando trabalhou para um comerciante de arte, na cidade de Haia. Aproximadamente aos 20 anos, Van Gogh mudou-se para Londres e depois para Paris, tudo devido ao reconhecimento alcançado.

No entanto, o pintor desviou-se da arte para estudar Teologia em Amsterdã, motivado por seu interesse em assuntos religiosos. Sem realmente terminar o curso, o holandês acabou se tornando pastor na Bélgica, ocupação que durou apenas seis meses. Durante esse tempo, ele criou desenhos feitos a lápis, baseado na vida e no trabalho dos mineiros pobres da cidade.

Em 1880, Van Gogh retorna para Haia, e começa a se dedicar mais à pintura. Com grande influência da Escola de Haia, ele começa a preparar uma série de trabalhos, onde são utilizadas técnicas de jogos de luzes. Os temas dessa época giram em torno da vida cotidiana de camponeses e trabalhadores da zona rural da Holanda.

Em 1886, mudou-se para Paris com o irmão e conheceu na cidade pintores importantes como Emile Bernard, Paul Gauguin, Toulouse-Lautrec e Edgar Degas, do movimento impressionista. Influenciado por eles, desenhou diversas telas e, após dois anos na França, muda-se para Arles, sul do país, uma região bucólica e repleta de paisagens rurais.

Suas várias obras com girassóis são desta fase da vida, momento marcado também pela única obra que o pintor conseguiu vender em vida: A Vinha Encarnada.

Depois disso, Van Gogh convidou Gauguin para morar com ele no sul da França, com quem desenvolveu também a ideia de fundar um centro artístico por ali. De uma relação tranquila no início, com o tempo os desentendimentos começaram e aumentaram, culminando na volta de Gauguin para Paris e o início da depressão de Van Gogh. Em 1888, durante um surto de violência, acabou cortando sua orelha, um dos fatos mais conhecidos do pintor.

O desequilíbrio psicológico, como não poderia deixar de ser, refletiu em suas obras, quando ele abandonou o pontilhado e adotou pinceladas rápidas e pequenas.

Em 1889, com o agravamento da doença, foi internado em uma clínica psiquiátrica, onde Van Gogh encontrou um belo jardim, dentro de um mosteiro, e o adotou como fonte de inspiração. Nessa época, ele abandonou as pinceladas e passou a desenhar com curvas em espiral.

No mesmo ano, Van Gogh voltou para Paris, para ficar próximo ao irmão e ser tratado pelo doutor Paul Gachet, que acabaou sendo retratado na obra “Doutor Gachet”. No entanto, a depressão persistiu e em 1890 o pintor atirou em seu próprio peito, vindo a falecer no hospital, três dias depois.

Principais obras

Além do já citado Retrato do Doutor Gachet, de 1890, outras obras famosas de Van Gogh são “Doze girassóis numa jarra”, “Quarto em Arles” – série de três quadros –, “Noite Estrelada”, “Oliveiras” e “Autorretrato com a orelha cortada”.

A curiosidade fica por conta de que, embora hoje considerado um dos maiores artistas de todos os tempos, todos os seus quadros, exceto um deles, foram vendidos somente após sua morte.

Compartilhe:

Deixe seu comentário!