Página Inicial > Educação > Sustentabilidade > Reciclagem da Borracha (Tipos de Borracha)

Reciclagem da Borracha (Tipos de Borracha)

Solas de sapatos, chinelos, fibras para roupas, colas, material de limpeza, buchas, câmaras de ar, tapetes para automóveis, cobertura de áreas de lazer e quadras de esporte e até uma mistura impermeável para asfaltar e recapear ruas e avenidas são produtos oriundos da borracha reciclada.

A borracha em seu estado natural é proveniente da seiva da seringueira, árvore nativa da Amazônia cuja adaptação em regiões tropicais da Ásia derrubou o ciclo comercial da borracha que havia no fim do século XIX e início do século XX. Na Alemanha, criou-se a borracha sintética, fabricada a partir do petróleo É similar à natural, mas não possui a mesma resistência ao calor.

No Brasil, 70% de toda borracha fabricada é destinada à produção de pneus, compostos por 10% de borracha natural (látex), 30% de petróleo (a borracha sintética) e 60% de aço e tecidos de lona. A outra parte serve de insumo para a fabricação de calçados, instrumentos cirúrgicos e até preservativos.

Na reciclagem da borracha, o pneu é o principal produto. Registros apontam que cerca de 2 milhões de pneus são fabricados por dia, uma média de 730 milhões ao ano. Enquanto isso, são descartados 800 milhões de pneus anualmente, 17 milhões só no Brasil. Se jogado no meio ambiente, estima-se que demore cerca de 600 anos para se decompor totalmente.

No processo de reciclagem, os pneus são submetidos a máquinas especializadas em retirar todo o aço da estrutura. Assim, sobra apenas a parte de borracha, 100% aproveitável. Fragmentadoras potentes, com lâminas afiadas, cortam os pedaços de borrachas e pneus em partes bem pequenas, semelhantes a um pó, porém mais grosso. O próximo passo é a desvulcanização, em que o produto granulado é posto em autoclaves giratórias para a quebra de sequências moleculares e a desmineralização, adquirindo outros formatos. O resultado é uma massa mole e moldável.

Um pneu usado também pode ser recauchutado com o adicionamento de novas camadas de borracha em pneus carecas. A recauchutagem estende a vida útil do pneu em 40% e economiza 80% de energia. O pneu velho ainda pode substituir o carvão para geração de energia.

A prática de queima de pneus, por ser altamente nociva ao meio ambiente, deve ser evitada. A borracha queimada libera gases tóxicos, como o carbônico, óxido de enxofre e outras substâncias cancerígenas – hidrocarbonetos poliaromáticos, dioxinas uranos e ácido benzeno.

Compartilhe:

Deixe seu comentário!