Página Inicial > Bem-Estar > Pilates: Ginástica Que Faz Bem Para o Corpo e Para a Alma

Pilates: Ginástica Que Faz Bem Para o Corpo e Para a Alma

Movimentar-se deve ser uma prática diária e realizada por todos. Deve também ser prazerosa, surtir efeito – seja para emagrecimento, condicionamento ou mesmo ter a finalidade de algum tratamento terapêutico. E uma das modalidades que vem conquistando cada vez mais adeptos é a prática do pilates. Para quem não conhece, a modalidade pilates foi criada pelo alemão Joseph Hubertus Pilates, que criou uma sequência de exercícios, pois acreditava piamente na possibilidade de uma sintonia entre corpo e espírito. Para construir o método ele se baseou na construção de um condicionamento físico, treinando e controlando a mente, de forma muito ativa.

Joseph era dono de um físico, bem como saúde invejáveis. Viveu até os 84 anos, e gabava-se por nunca ter tido uma dor de cabeça se quer. Para os amigos que viviam evitando os resfriados e todos os processos de dores, indicava sempre os exercícios físicos. Pilates, para compor as sequências de exercícios que hoje eternizam o seu nome, estudou durante anos a fio a anatomia do corpo humano, focando no  complexo sistema de articulações e nos movimentos executados por ele.

Nascido num pequeno vilarejo próximo à Düsseeldorf, Joseph teve contato com as atividades físicas desde muito cedo, aos 14 anos, o que o levou a definir sua musculatura e ter um porte físico invejável, que o levou a ser contratado para posar como modelo. Mais tarde, passou a ser um excelente mergulhador, ginasta, boxeador além de um grande esquiador. E foi na época da Segunda Guerra Mundial que decidiu aprimorar e refinar os seus conhecimentos a respeito do condicionamento físico. Por este período, ele trabalhou como um dos voluntários em hospitais em campos de concentração de prisioneiros, e acabou percebendo a grande necessidade de atividades físicas que as pessoas que ali estavam tinham. Sem contar que para atender os vários feridos e até mesmo os amputados, ele próprio tinha de exercer muitos esforços, que demandavam energia e condicionamento. Foi o princípio de tudo: adaptou molas, tiras de couro, espumas, às camas dos hospitais. Deu-se então, o desenvolvimento dos aparelhos que hoje são usados na prática do pilates.

Na época, já houve um reconhecimento do trabalho desenvolvido por Joseph. Ele realizou diversas publicações de obras, nas quais defendia seu ponto de vista, sua técnica, sua filosofia. Foi numa delas que apresentou os 34 primeiros exercícios originais desenvolvidos por ele, bem como os princípios definidos e interdependentes que aquela prática física deveria assimilar: centralização, muita concentração, controle, fluidez dos movimentos a serem realizados durante as sequências, precisão e, muita respiração. Há quem diga que Joseph teria se inspirado fortemente no Yoga para desenvolver sua técnica, uma vez que a necessidade da respiração forte, concentração e diversos movimentos lembram a prática.

Além disso, os movimentos que são executados no pilates respeitam uma divisão de níveis: básico, intemediário, avançado e superavançado, sendo que eles devem ser tanto executados no mat quanto nos equipamentos. A prática respeita muito os limites das articulações de cada indivíduo, daí ela ser tão recomendada por médicos e fisioterapeutas, em especial nos tratamentos de problemas relacionados à coluna. Principalmente porque não é desejável que o praticante chegue à exaustão ou que demonstre um grau altíssimo de adaptabilidade às sequências de exercícios.

No método pilates, também não há a repetição exaustiva dos movimentos, o que em geral evita a automatização dos movimentos realizados, ou ainda, perca a concentração exigida para que eles tenham a qualidade necessária e o alcance dos benefícios, que aliás, são inúmeros.

A prática freqüente do pilates favorece o enriquecimento de uma consciência corporal, vista em pouquíssimas práticas físicas. As sequências dos exercícios desenvolvem a força muscular, promove uma reestruturação da postura dinâmica, a restauração da fluidez natural dos movimentos, uma efetiva melhora na realização dos movimentos eficientes e constantes do dia a dia, melhora a capacidade respiratória, contribui com a flexibilização e a coordenação motora, sem contar que garante um aumento na autoestima, autoconfiança e na recuperação do equilíbrio. Trata-se, portanto, de um tipo de prática física que traz benefícios para o corpo e a mente. O pilates pode ser praticado por crianças, jovens, adultos gestantes, além de ser altamente recomendado para pessoas que estão na terceira idade.

 

Compartilhe:

Deixe seu comentário!