Página Inicial > Viagens > Brasil > Dicas Para Visitar o Parque Nacional Serra da Capivara

Dicas Para Visitar o Parque Nacional Serra da Capivara

Localizado no Estado do Piauí, no Brasil, o Parque Nacional da Serra da Capivara é uma unidade de conservação brasileira, que atrai milhares de turistas todos os anos e o ano inteiro. Situado entre os municípios piauienses de Canto do Buriti, Coronel José Dias, São João do Piauí e São Raimundo Nonato, o parque foi fundado em 1979, com o intuito de proteger um dos patrimônios mais importantes do país: o parque é um sítio arqueológico pré – histórico. O parque, quando de sua fundação, tinha cerca de 100.000 hectares, que foram estendidos para mais 35.000. A administração do Parque Nacional da Serra da Capivara está aos cuidados do Instituto Chico Mendes de Preservação da Biodiversidade.

Com uma riqueza cheia de vestígios do passado e das origens do homem, o parque é de riqueza inigualável e que se conserva há milênios. Lá, pode – se dizer que patrimônio histórico, cultural e ecossistema estão ligados de forma íntima, e o equilíbrio desses elementos de naturezas  distintas é condicionado totalmente na conservação do Parque.

É um local ideal para quem quer estar em contato pleno com a natureza. Há diversos atrativos naturais, culturais e monumentos históricos para serem explorados. A Serra da Capivara é formada por belíssimas formações rochosas, onde estão abrigados sítios paleontológicos e que foram testemunhas da presença do homem naquele local.

O parque foi fundado graças aos esforços da arqueóloga Niéde Guidon, diretora da Fundação do Museu da História do Homem Americano, instituição responsável por todo o manejo do parque.

No Parque, em várias áreas podem ser vistas as pinturas rupestres, que são as manifestações mais abundantes deixadas pelo homem que por ali viveu. Há, basicamente, três sítios que apresentaram as mais antigas datações obtidas na área do Parque Nacional são abrigos – sob -rocha, um abrigo – sob – rocha forma-se pela ação da erosão que agindo na base dos paredões rochosos vai desagregando a parte baixa das paredes fazendo com que se forme, no alto, uma saliência. Toda esta estrutura é o que protege as pinturas da degradação provocada pelo sol, chuva, e o próprio solo que fica no teto.

Ainda é possível encontrar a Mata de transição de Cerrado, Caatinga, biogeográficas caracterizadas por plantas xeromórficas – aquelas que perdem as folhas de forma total. A mata ocupa 650.000 quilômetros de área total do nordeste brasileiro, e ainda abriga uma diversidade de fauna que não pode ser vista em outra região, como algumas aves, a onça – pintada, e o Mocó, único exemplar de mamífero  endêmico do lugar.

Compartilhe:

Deixe seu comentário!