Página Inicial > Viagens > Ásia > Kathmandu, Turismo na Encatadora Capital de Nepal

Kathmandu, Turismo na Encatadora Capital de Nepal

O Nepal é um país que está diretamente ligado às suas simbologias. Não é possível pensar em uma viagem para o Nepal e não liga-lo ao Monte Everest. Além disso, o Nepal conta com uma história riquíssima, principalmente no que concerne às questões religiosas e filosóficas. Segundo consta da tradição teria sido nas cidades de Pokhara e Lumbini, o nascimento de Sidarta Gautama, o Buda. Elas têm grande importância para o turismo, sendo altamente reconhecidas pela Organização das Nações Unidas, em particular para a Educação, para a Ciência e para a Cultura, devido ao valor histórico, bem como por lá se encontrar um grande acervo monumental.

Com uma população dividida em diversas etnias e majoritariamente hindu, o país ainda é muito pobre, com infraestrutura e serviços turísticos muito precários, o que não impede uma viagem fabulosa, por terras distantes e um isolamento iminente para aqueles que estão em busca de mais espiritualidade. A situação política é instável, mas por outro lado, o Vale Kathmandu é listado como Patrimônio da Humanidade pela Unesco, que abriga  o templo budista de Swayambhunath, que teria sido o berço de Buda. Mas há riquezas a fauna do Parque Nacional Chitwan e da Reserva de Vida Selvagem Koshi Tappu que são a grande atração local. Ainda assim, o que atrai os milhares de visitantes são os picos gelados do Himalaia.

Não há voos diretos entre o Brasil e o Nepal, então a melhor forma de chegar até Kathmandu, a capital do país, é através de voos vindos da Índia. Algumas operadoras turísticas oferece toda a estrutura para quem quer ir para lá. Desde o traslado, transporte entre as cidades, e acampamentos, aluguel de equipamento, carregadores, cozinheiros, guias, hospedagem.

Kathmandu oferece alguns divertidos passeios. A Praça Durbar é o centro da vida cívica e religiosa da cidade, repleta de palácios, estupas e templos. Há diversos edifícios históricos que foram construídos entre os séculos XII ao XVIII, entre eles – e todos devem ser visitados – os templos Taleju e Jaganath, o conjunto arquitetônico de Nasal Chowk, além da estátua do rei Pratap Malla, o grande sino e o grande tambor. Outro local que não pode deixar de ser visitado é o antigo palácio real Narayanhiti, que depois do fim da monarquia, em 2007, transformou-se em um museu.

Para se hospedar e comer, o ideal em Kathmandu, é ficar no distrito conhecido como Tamel, ao norte da Praça Durbar.

Compartilhe:

Deixe seu comentário!