Página Inicial > Viagens > Ásia > Índia: Como ir, O Que Fazer e Onde Comer

Índia: Como ir, O Que Fazer e Onde Comer

A antiga rota das especiarias – a Índia – mantém muitos traços de uma época remota, na qual antigos impérios saiam em busca de caminhos alternativos que possibilitassem o monopólio do comércio. A Índia continua grandiosa, veja apenas por sua população, que hoje já está batendo a casa de mais de 1, 150 bilhões de habitantes. Terra de contrastes, onde há uma grande convergência de linguagens, religiões e costumes, a Índia guarda muitas surpresas pra quem quer conhecer um mundo completamente distinto, mesmo que tenha sofrido com a modernização e seja uma das economias que mais cresce nos últimos anos.

Quem está planejando sair do Brasil e ir com destino à Índia, uma informação importante: não há voos diretos entre a Índia e o Brasil. Opções possíveis são viagens via Europa com British Airway,  Air France, KLM e Swiss. Há também alternativas com a Qatar e Emirates. Ainda é importante tirar o visto e tomar a vacina contra a febre amarela.

Uma boa sugestão de roteiro para quem via pela primeira vez ao país é organizar uma viagem de pelo menos dez dias, para dar tempo de conhecer e fazer visitação aos principais pontos turísticos. É importante, por exemplo, passar dois dias conhecendo a face moderna da Índia em Nova Deli, antes de tomar a caótica autoestrada para Jaipur. Reservar pelo menos três dias no Rajastão para deliciar-se com os mercados locais e o colorido das ruas. Depois, uma dica é seguir para Agra e ver o nascer do sol no Taj Mahal, antes de visitar o deslumbrante Forte Agra. Vale passar um dia em Khajuraho e depois seguir viagem para Varanasi, que merece dois dias para – há muitas vielas estreitas, templos para serem apreciados.

Não perca por nada uma passadinha pelas praias de Goa, onde a vigorosa massagem ayurvedica é oferecida aos visitantes.

A circulação pelas ruas indianas é considerada uma aventura à parte, já que o trânsito é caótico. As possibilidades de locomoção se estendem aos trens antigos, ainda do período colonial, aos ônibus e o aéreo.

A gastronomia do país é considerada um dos pontos mais altos da viagem. A mistura de sabores, os condimentos, e a diversidade, podem impressionar até os vegetarianos mais exigentes. Evite a comida de rua, que é considerada uma temeridade, já que é preparada em condições das mais precárias possíveis.

Quem curte compras, pode-se imaginar estando no paraíso. Tapetes de altíssima qualidade, blusas, echarpes e cachecóis de caxemira e pashmina, peças de decoração enfeitadas com pedras incrustadas, tudo é possível de ser encontrado, e com preços muito atrativos.

Compartilhe:

Deixe seu comentário!