Página Inicial > Artesanato > Boas Práticas na Hora de Fazer Sabonetes

Boas Práticas na Hora de Fazer Sabonetes

Quem quer iniciar um negócio com artesanato voltado para a área da perfumaria, pode ter a plena certeza de que se trata de um mercado que não enfrenta crise e está em plena ascensão. De acordo com dados divulgados por uma pesquisa conjunta da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC) com a consultoria Booz & Company, as perspectivas para o mercado são as melhores e que a cada ano cresce cerca de 8%. Muito mais do que qualquer outra área da economia.

Mas, para que o sucesso seja certeiro, também é importante que algumas práticas sejam realizadas em todo o processo de produção, desde a qualidade da matéria – prima selecionada, até a qualidade de feitio dos materiais.

O Brasil é considerado o segundo maior mercado do mundo em consumo de produtos que são voltados para a higiene pessoal. Há uma forte concorrência com produtos que são industrializados e conseguem manter um alto nível de qualidade, concorrendo diretamente com produtos que são importados. Embora haja mercado para todos,  o nível de qualidade será determinante no sucesso do negócio, uma vez que os clientes consumidores usam esta característica como critério na hora da compra.

E em se tratando de mercado de comercialização de produtos artesanais, a exigência dos consumidores desse nicho, costuma ser muito maior, uma vez que os consumidores estão em busca de produtos que fujam do lugar comum, ou seja, buscam por produtos naturais, que tenham qualidade. O preço não será fator determinante.

Por  essas razões, é fundamental que se trabalhe apenas com matérias primas de qualidade, e que o artesão invista no aprendizado de todas as técnicas necessárias para a fabricação dos produtos, para não errar nas medidas, não desperdiçar os produtos, e estar atento às boas práticas de higiene e manipulação.

Também é fundamental, por questões de saúde pública, que as receitas da fabricação sejam seguidas à risca. Além disso, os rótulos dos produtos devem convergir para a real utilização de todos os materiais, indicando se há ou não elementos e composições químicas que podem trazer futuras alergias às pessoas.

Lembre-se de que a base glicerinada, as essências, os corantes e todos os outros ingredientes utilizados na fabricação do seu sabonete precisam ter licença e registro expedido pela Vigilância Sanitária. Assim, o artesão terá a certeza de que os seus produtos, além de artesanais, somente trarão benefícios aos seus usuários.

Compartilhe:

Deixe seu comentário!