Página Inicial > Pets > Répteis > Tudo sobre Cobras: A Cobra Coral

Tudo sobre Cobras: A Cobra Coral

As cobras corais, também chamadas de Micrurus, Erythrolamprus, Oxyrhopus e Anilius, nada mais são do que serpentes de pequeno porte, que são bastante reconhecidas por ter um colorido bastante vivo. Existem diversos tipos, as corais peçonhentas e também as que não são peçonhentas, a distinção entre duas espécies é difícil, e possível apenas na realização de um exame bastante minucioso quanto a posição das suas presas e a qualidade dos desenhos de seus anéis.

Estas cobras são localizadas comumente em toda a América latina e nos Estados Unidos em regiões mais quentes. Seu veneno é considerado um dos mais poderosos de todos do reino animal, muito mais tóxico do que o da jararaca ilhoa, aqui no Brasil é considerada como a segunda serpente mais venenosa existente.

Estes animais além de serem facilmente avistados devido a sua coloração, normalmente não contam com um comportamento de ataque como as cascavéis realizam por exemplo. Suas presas são bastante pequenas e poderão estar localizadas em uma porção anterior de sua mandíbula. Estas cobras não picam, porém mordem a sua caça para que possam inocular a sua peçonha.

Normalmente a coral verdadeira é identificada na posição das suas presas ou ainda pela quantidade e também o delineamento de seus anéis. As cobras peçonhentas possuem um ou três dos anéis completos em volta do corpo, e as que não são peçonhentas contam com apenas um em seu dorso.

Tem hábitos noturnos vivendo embaixo de folhas, galhos, pedras, buracos ou ainda dentro de troncos que poderão estar em decomposição. Para que ela possa se defender normalmente levanta a sua cauda e engana o ameaçador, este que foge para não ser atacado achando que é a sua cabeça, que na verdade não é. Suas atividades realizadas durante o dia acontecem normalmente a reprodução e a uma maior necessidade de se aquecer mais do eu as fêmeas grávidas deverão apresentar.

Depois de seu acasalamento, as fêmeas costumam colocar seus ovos que são de três a 18 e que se forem chocados corretamente podem eclodir depois de 90 dias. Devido a sua capacidade de armazenamento do esperma do macho, a fêmea poderá ainda realizar diversas posturas antes de ter uma nova cópula.