Página Inicial > Educação > Países Africanos História de Moçambique

Países Africanos História de Moçambique

Publicidade:

Moçambique é um país localizado no sudeste da África, próximo à África do Sul e à Tanzânia.

Podemos dividir sua história em três períodos: Pré-Colonial, Penetração Colonial e a Luta pela Independência.

Período Pré-Colonial

O período Pré-Colonial de Moçambique conta com povos primitivos bosquímanos caçadores e coletores. Com as grandes migrações que ocorreram entre 200 e 300 D.C. dos povos Bantu, de hábitos guerreiros, e vindos dos Grandes Lagos, os bosquímanos acabaram fugindo para regiões mais pobres em recursos.

Entrepostos comerciais foram estabelecidos antes do século 7, pelos Suahil-árabes, na costa do país, para fazer a troca de produtos do interior, como ouro e marfim, por diversos outros artigos.

Penetração Colonial

Quando o século 15 chegava ao fim, houve uma penetração mercantil portuguesa em Moçambique, motivada pela demanda de ouro que se destinava à aquisição de especiarias asiáticas.

Os portugueses instalaram-se primeiro no litoral, onde construíram as fortalezas de Sofala, em 1505, e de Moçambique, em 1507. Através dos processos de conquistas, apoiadas por atividades comerciais e missionárias, o interior do país começou a ser povoado. Nessa altura, os portugueses não queriam apenas controlar o escoamento do ouro, mas também dominar o acesso às zonas que produziam a riqueza, quando ocorre a chamada Fase de Ouro.

Seguiu-se à Fase de Ouro as fases de marfim e de escravos, os dois “produtos” mais procurados pelo mercantilismo. Com o escoamento desses produtos, efetivado pelo sistema de Prazos do vale do Zambeze, pode-se dizer que se constituiu a primeira forma de colonização portuguesa em Moçambique. Esses Prazos consistiam em espécies de feudos dos mercadores portugueses, e quando este sistema “prazeiro” foi abolido, em 1832 e 1854, os estados do vale do Zambeze passaram a praticar o tráfego de escravos, mesmo com a abolição da escravatura em 1836 e em 1842.

As populações de macúa-lomué foram as que mais sofreram com a escravatura, com muitos deles sendo exportados para as ilhas Madagascar, Mascarenhas, Zanzibar, Golfo Pérsico e Brasil e Cuba, sendo que este último país era o maior mercado de escravos até 1850.

Após a Conferência de Berlim, em 1884/1885, Portugal foi obrigado a ocupar efetivamente Moçambique. No entanto, sua incapacidade financeira e militar acabou por fazer com que Portugal fizesse o arrendamento da soberania e poderes de muitas extensões territoriais a companhias arrendatárias e majestáticas.

Estes dois tipos de companhia desenvolveram em Moçambique uma economia de plantações e, em pouca quantidade, tráfego de mão de obra para países vizinhos. Enquanto o Sul do Rio Save, que ficou sob administração direta do Estado Colônia, desenvolveu a economia de serviços, com exportação de mão de obra para minas sul-africanas e transporte ferro-portuário através do Porto de Maputo, capital do país.

Embora pareça que a população moçambicana tenha apenas assistido a essa ocupação colonial, a população sempre travou lutas de resistência.

Luta pela Independência

Dirigida pela Frente de Libertação Moçambicana (FRELIMO), a luta de libertação nacional ocorreu quando a opressão secular e o fascismo colonial português já não era mais tolerado.

Assim, liderados pela FRELIMO, fundada em 1962, o povo moçambicano apoiou a luta de libertação nacional que começou em setembro de 1964, na província de Cabo Delgado.

A declaração da independência do país ocorreu apenas em junho de 1975, com a liderança de Samora Moisés Machel. Após sua morte, ele foi sucedido por Joaquim Alberto Chissano e este, por sua vez, antecedeu o Presidente Armando Emílio Guebeza.

Após conseguir a independência, a partir do início dos anos 1980 Moçambique viveu um conflito armado, dirigido pela Resistência Nacional de Moçambique (RENAMO). O conflito acabou por destruir muitas vidas e infraestruturas econômicas, chegando ao fim em 1992, quando FRELIMO e RENAMO assinaram um acordo de paz.

As primeiras eleições multipartidárias de Moçambique ocorreram em 1994, com vitória da FRELIMO, que ganhou também em 2000 e 2004.