Página Inicial > Educação > Países Africanos: História da Nigéria

Países Africanos: História da Nigéria

Publicidade:

A região da Nigéria, ao norte do continente africano, abrigou na Antiguidade uma das civilizações mais avançadas da África Ocidental, conhecida como cultura nok (500 a.C. – 200 a.C.). Já a partir do ano 1000, o norte se torna islâmico, com influência da civilização kanem, que mais tarde dominaria as rotas comerciais do norte da África.

Por mais de 600 anos, o Império Kanem-Bornu dominou o norte da Nigéria, com sucesso nas rotas de comércio entre bárbaros norte-africanos e o povo da floresta.

Enquanto isso, os reinos de Oyo, no sudoeste, e Benim, no sudeste, criaram sistemas elaborados de organização política nos séculos 15, 16 e 17. Benim e Ifé destacam-se ainda por suas grandes obras artísticas em bronze, metais, madeira e marfim.

Europeus x Nigerianos

No século 18, os britânicos travam uma luta com os portugueses pelo controle do tráfico de escravos e conseguem a hegemonia sobre o litoral. Já no começo do século 19, Usman Dan Fodio reúne grande parte das áreas do norte sob seu controle, em um império islâmico, com Sokoto como o centro.

Entre os séculos 18 e 19, portes costeiros são estabelecidos na Nigéria por comerciantes europeus, que visavam aumentar o tráfico de escravos para a América. No século 19, o comércio de escravos é finalmente substituído pelo comércio de mercadorias.

No entanto, mesmo com a proibição do comércio de escravos, no início do século 19, a expansão britânica continuou, avançando a bacia do rio Níger.

Em 1886, foi criada a Companhia Real de Níger; em 1901, o país se tornou um protetorado britânico e, em 1914, a Nigéria se tornava colônia britânica.

Com o crescimento do nacionalismo nigeriano, no fim da Segunda Guerra Mundial, o governo britânico, em resposta, começou o processo de transição de colônia para um governo próprio, com base federal. Em 1960, finalmente a Grã-Bretanha concede à Nigéria sua total independência, uma federação com três regiões, cada uma com uma parcela de autonomia.

Golpes Militares

Seis anos depois, em 1966, a Nigéria sofreu dois golpes militares, por diferentes grupos, ficando sob uma ditadura militar. No segundo golpe, os líderes substituíram os governos regionais por governos estaduais, tentando aumentar o poder do governo federal. Enquanto isso, os ibos, grupo que dominava etnicamente a região leste, declaram independência em 1967, como a República do Biafra, e dão início a uma guerra civil sangrenta, em que saíram derrotados.

Já em 1975, um golpe pacífico levou Murtala Ramat Mohammed ao poder, visando retornar ao estado civil, Porém, logo em seguida ele foi morto, com Olusegun Obasanjo como sucessor. Em 1977, foi promulgada uma nova constituição e em 1979 foram realizadas novas eleições.

Em 1983, novamente a Nigéria se vê em um governo militar, após o golpe que tornou o Supremo Conselho Militar o órgão regulamentador do país. Com o cancelamento das eleições de 1993, o general Sani Abacha tomou o poder e, após sua morte em 1998, Abdulsalami Abubakar se tornou líder do SMC. Ele anulou o suspensão da constituição de 1979 e, em 1999, Olusegum Obasanjo foi eleito presidente da Nigéria pelo povo.