Página Inicial > Educação > Geografia > O Rio Pinheiros, Impotante Rio Paulista

O Rio Pinheiros, Impotante Rio Paulista

Publicidade:

Este importante rio localizado no Estado de São Paulo, o rio Pinheiros, banha toda a extensão estadual onde suas águas percorrem. Sua nascente se dá a partir do encontro das águas do rio Guarapiranga com as do rio Grande, no Alto Tietê.  O rio Pinheiros, que já fora chamado de Jurubatuba – lugar com muitas palmeiras – hoje sofre com um dos graves e mais intensos problemas causados pelos processos da modernidade – a poluição.

Numa extensão de mais de 25 quilômetros – o que parece pouco em relação a tantos outros rios, o Rio Pinheiros corta a cidade de São Paulo – além disso, é ele que dá nome a uma das vias de trânsito mais conhecidas da cidade – a marginal Pinheiros. Sua foz também se dá no rio Tietê.

O rio passou a ser reconhecido pelo nome que possui hoje, ainda em 1560, quando um aldeamento indígena foi criado em suas margens. Os indígenas passaram a chamá-lo de grande pinheiros, por conta da vegetação que se estendia em sua longitude. O rio Pinheiros era o principal caminho de acesso que levava ao que hoje é a rua da Consolação em São Paulo.

A paisagem do rio começou a ser transformada bem no início do século XX, quando suas margens foram abarrotadas de pontes para facilitar a transposição de um lado para o outro.

O rio Pinheiros é um dos rios que mais recebe afluentes: Ribeirão Jaguaré, Rio Pirajuçara, Córrego Poá, Córrego Belini, Córrego Corujas, Córrego Verde I, Córrego Verde II, Córrego Iguatemi, Córrego Sapateiro, Córrego Uberaba, Córrego Traição, Córrego Água Espraiada (Jabaquara), Ribeirão Morro do S, Córrego Ponte Baixa, Córrego Zavuvu e Córrego Olaria.

As nascentes desses rios quase todas estão situadas em Taboão da Serra e Embú das Artes, ambas fora da capital. Contudo, vale salientar que elas estão quase todas canalizadas não podendo serem vistas a olhos nus. Uma dessa canalizações fica situada numa das regiões mais nobres da cidade, é o córrego Água Espraiada, que antes do processo de canalização, costumava inundar todo o entorno durantes os intensos períodos de chuva.

O rio Pinheiros ainda possui uma vazão de água relativamente baixa, de acordo com o órgão regulador – a Sabesp – são apenas 10 mil litros de água por segundo, numa média estimativa.  Já o esgoto recebido pelo rio ultrapassa esse dado, chegando a mais de 10.9 litros de esgoto, 82% desse volume é tratado.