Página Inicial > Educação > Arte > As Escolas de Vanguarda

As Escolas de Vanguarda

Publicidade:

O modernismo é a manifestação artística que marcou o início do século XX. Cercado por transformações intensas, em todos os setores, os primeiros anos em 1900 contestam todas as certezas e premissas que até então estavam estabelecidas. Pode-se dizer que o modernismo, por conta disso, foi um conjunto de diversas manifestações, estilos, designers que  permearam os anos que se seguiram.  Embora haja diversos pontos de convergência entre todas as manifestações, elas também podem ser tratadas de maneira bem distintas.

Na virada do século, a Segunda Revolução Industrial, o vapor, a eletricidade, a luz espalhada por todos os cantos, as fábricas cada vez mais ocupantes das cidades em crescimento, deixaram profundas marcas entre os homens. Nesse sentido é que surgem as escolas de vanguarda – futurismo, dadaísmo, cubismo impressionismo expressionismo, as quais vão estabelecer relações novas com as artes, as quais eram calcadas em algum tipo de manifestação sociológica que insurgiu à época. Verdadeiros turbilhões, que não somente propunham uma ruptura com tudo que estivesse estabelecido, como também, uma nova e inédita maneira de se enxergar o mundo, as escolas é que fixam, posteriormente, o que se denominará modernismo.  Tudo a partir de agora é anarquia, tudo é novidade, não se deve seguir nenhuma academia, ao mesmo passo em que academias são criadas.

O cubismo uma das primeiras escolas de vanguarda propunha uma ruptura total com a forma em ângulos mais arredondados. Houve, portanto, a deformação da forma. Surgido em Paris, o seu representante mais célebre foi Pablo Picasso, que transitou não somente pela pintura, mas também pelas artes plásticas como um todo. Um dos quadros mais famosos do pintor é o ‘Guernica’, que retrata, com base nos preceitos do cubismo, todos os horrores promovidos pela destruição produzida por uma bomba que fora jogada em sua aldeia natal.

Já outra escola, o futurismo, propunha a demolição de forma radical de todo o passado, o fim dos academicismos, além de  exaltar o progresso e a tecnologia em vigor. Seu mais famoso precursor foi Tommaso Marinetti, que também promovia um desapego ao tradicionalismo, em particular os que estivessem ligados à sintaxe. Isto na literatura.

Outra escola de vanguarda é o dadaísmo que julgava ser necessário romper com tudo e produzir uma arte inédita e cheia de expressão. O que era acadêmico se contrapunha diretamente ao que pudesse ser dadaísta. Ser dada era ser nada, e ao mesmo tempo ser tudo.

Outra escola de vanguarda também muito expressiva foi o surrealismo, que na figura de Salvador Dalí, ficou largamente conhecida. A escola propunha uma impregnação do inconsciente em todas as suas formas e expressões.